Blog da

gamificação em processos seletivos

Como aplicar a gamificação em processos seletivos? Entenda!

O crescente desenvolvimento da tecnologia permitiu que os jogos passassem de um simples divertimento para uma estratégia de escolha dos colaboradores mais adequados para ocuparem os cargos dentro da empresa. Cada vez mais organizações têm aplicado a gamificação em processos seletivos dada a sua eficácia e precisão.

Mas, afinal, o que é e como funciona a gamificação? Quais as vantagens? E como a empresa pode aderir a esse processo? Confira as respostas a seguir!

O que é gamificação?

A gamificação, ou gamification, é o termo utilizado para definir uma técnica que utiliza jogos em situações que não são especificamente para a diversão, mas sim para desenvolver e engajar pessoas em processos como execução de projetos.

O uso dessa dinâmica dos jogos visa tornar os contextos em que os profissionais estão inseridos mais divertidos e prazerosos, obtendo o máximo de aproveitamento nessas situações.

No contexto empresarial, por exemplo, existem muitas possibilidades para utilizar a gamificação. Falamos sobre a execução de projetos, mas é cada vez mais comum a aplicação nos processos de recrutamento e seleção.

O usuário é exposto a desafios e, a partir disso, obtém uma pontuação que o classifica — ou não — para a vaga. Tudo é definido de acordo com as necessidades da organização.

A ideia é que, ao aplicá-lo nos processos, a empresa tenha mais dinamicidade e coloque os potenciais candidatos em situações semelhantes ao que eles viverão no dia a dia, se forem contratados.

Como funciona?

Existem diversas maneiras de aplicar a gamificação em processos seletivos. Mas, antes de falarmos sobre isso, vale a pena destacar que o recrutamento será o primeiro contato do candidato com a organização, logo, a escolha da metodologia deve ser embasada nessa premissa básica.

Isso quer dizer que os recrutadores precisam encontrar uma maneira de apresentar o modo de trabalho da corporação ao mesmo tempo em que buscam conhecer ao máximo o candidato em questão. Afinal, isso colaborará na hora de fazer a opção pelo profissional mais adequado para ocupar a vaga.

Agora, falando do funcionamento, a empresa pode adotar os quizzes interativos, por exemplo. Primeiro, ela provê o material e uma espécie de regras do jogo, no qual o candidato lerá um pouco sobre o funcionamento da atividade.

Logo depois, o recrutador o leva para um ambiente virtual onde ele precisa passar por perguntas de múltipla escolha a fim de mostrar seus conhecimentos sobre o que foi assimilado.

A probabilidade de que ele absorva o conteúdo será muito maior quando isso é feito de modo divertido. A empresa pode utilizar outras estratégias em fases posteriores que ajudam a revelar as competências, habilidades e comportamentos.

Um exemplo é simulando situações do cotidiano da empresa que pedem que o candidato as resolva, tendo como plano de fundo um cenário lúdico.

Quais as vantagens de usar a gamificação em processos seletivos?

Tanto as empresas quanto os candidatos saem ganhando com a implementação da gamificação em processos seletivos. Confira as principais vantagens!

Maior eficácia no processo de seleção

Sabemos que encontrar profissionais talentosos não é uma tarefa simples. Métodos muito tradicionais engessam essas possibilidades. É por isso que a gamificação ajuda na maior eficácia do processo de seleção.

Isso graças à tecnologia que permite analisar diversas competências por meio da proposição de jogos.

Atração de talentos

Assim como encontrar profissionais talentosos não é fácil, atraí-los é mais um desafio. Os profissionais que se destacam em suas áreas costumam preferir organizações que os desafiam e trazem inovação já no momento do processo seletivo.

Para eles, se a empresa já se diferencia no começo, isso é um sinal de que naquele local ele poderá crescer e terá mais liberdade criativa.

Possibilidade de simular situações cotidianas

Um aspecto interessante do jogo é o de criar uma certa tensão por não ser algo previsível e isso se encaixa perfeitamente ao que acontece no ambiente organizacional.

O fato de poder simular situações cotidianas ajuda os gestores a identificar aqueles profissionais mais habilidosos para as atividades diárias, bem como encontrar candidatos com maior potencial de se desenvolver e trazer resultados positivos para o negócio.

Maior engajamento dos candidatos e melhor comunicação

A utilização da gamificação torna os processos seletivos mais interessantes, o que gera maior interesse pela vaga e engajamento dos candidatos.

Além disso, outro benefício é a melhora na comunicação entre as partes, trazendo maior dinamicidade na hora de oferecer e receber feedbacks.

Como as empresas podem aderir a essa inovação?

O primeiro passo para aderir a inovação promovida pela gamificação em processos seletivos é conscientizar a equipe de RH sobre a importância do uso de dados na escolha de candidatos.

Outra questão importante no processo de implementação é compreender os objetivos do processo seletivo e o tipo de candidato que se deseja atrair. Ambos os aspectos serão fundamentais na hora de escolher os jogos mais adequados, bem como os critérios de seleção por meio dele.

Ter isso em mente ajudará no próximo passo: o teste do protótipo do jogo. A empresa precisa saber qual a aderência e os pontos fortes e fracos antes de colocá-lo em funcionamento. Depois de feito isso, é hora de realizar a implementação e monitoramento dos resultados.

Nessa fase inicial é muito importante que a equipe responsável pelo recrutamento esteja bem próxima dos candidatos para saber como eles se adaptaram a novidade, mas também para entender como o jogo impactará o resultado da escolha.

Voltando a questão do monitoramento, é importante também que o RH esteja preparado para acompanhar as métricas e dados oferecidos pelos jogos. Ou seja, saiba ler as informações para poder propor ações já na contratação, como treinamento de uma habilidade específica necessária à equipe de trabalho na qual o contratado atuará.

Enfim, o uso da gamificação em processos seletivos tende a crescer. Aliás, não só nesse aspecto que os jogos podem ser aplicados, mas também no dia a dia dos profissionais que já atuam dentro da empresa, sempre visando o seu aperfeiçoamento.

A ideia é que as organizações tenham mais eficácia no processo de tomada de decisões e mantenham um quadro de colaboradores alinhados às suas reais necessidades. 

E então, quer saber mais sobre esse e outros assuntos ligados ao mundo dos recursos humanos? Não deixe de nos seguir nas redes sociais! Estamos no Facebook, Instagram, LinkedIn, Twitter e YouTube!