Blog da

custo de um funcionário

Como calcular o custo de um funcionário para a empresa? Veja aqui!

O custo de um funcionário para a empresa vai muito além de seu pagamento. Você já deve ter ouvido falar que um trabalhador custa o dobro do salário para a companhia, não é mesmo? Essa regra está próxima da realidade em muitos casos.

A folha de pagamento exige alguns quesitos, como férias, vale-transporte, Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e contribuições para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Mas também há alguns benefícios opcionais, que valorizam os colaboradores e são capazes de aumentar a produtividade, como plano de saúde, viagens corporativas e vale-cultura.

Neste artigo, você vai entender quais benefícios são obrigatórios ou não e conhecer o valor de cada um. Também vamos ver por que é essencial oferecer algumas vantagens para os colaboradores. Confira!

O custo de um funcionário depende do regime tributário da empresa?

Sim. A primeira questão que deve ser analisada na hora de calcular a folha de pagamento é o regime tributário. A maioria das pequenas empresas no Brasil usa o Simples Nacional, enquanto as maiores adotam o Lucro Real ou Lucro Presumido.

No próprio Simples Nacional, algumas alíquotas variam de acordo com a natureza das atividades da companhia. Mas, de modo geral, os encargos pagos pela empresa são os seguintes:

  • 8% de FGTS mensal;
  • férias;
  • um terço sobre as férias;
  • 13º salário;
  • 5% de alíquota de terceiros (no caso de Lucro Real ou Lucro Presumido).

Já os deduzidos do colaborador são:

  • 8% a 11% de INSS;
  • até 6% do salário para vale-transporte.

Quais benefícios são obrigatórios?

O primeiro deles é o empregador assinar a carteira, exceto nos casos permitidos pela lei (diaristas etc.). Os itens seguintes também são obrigatórios.

FGTS

Trata-se de uma espécie de poupança compulsória, com taxa de 8% ao mês, calculada sobre o salário bruto do empregado. O empregador tem a responsabilidade reservar o dinheiro, que fica depositado em conta da Caixa Econômica Federal. O trabalhador pode sacar o FGTS em alguns casos, como demissão sem justa causa ou para adquirir uma casa.

INSS

Esta contribuição é usada para manter a Previdência Social, ou seja, pagar as aposentadorias. Ela pode ser acessada pelo trabalhador em caso de auxílio-doença, licença-maternidade ou afastamento por acidente de trabalho. De acordo com a portaria n° 15 do Ministério da Fazenda, a alíquota é de 8%, 9% ou 11%, dependendo do salário.

Férias

Como a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) estabelece 30 dias de férias remuneradas ao ano, a empresa precisa garantir a quantia que o trabalhador vai receber. Na verdade, o salário de férias é 1/3 maior, ou seja, quem recebe R$ 2.000,00 por mês tem direito a um total de R$ 2.666,66 (ou R$ 222 por mês, pagos ao longo do ano).

13º salário, vale-transporte e licença-maternidade (ou paternidade)

O 13º é um salário adicional para o trabalhador, pago normalmente no fim do ano. Já quanto ao vale-transporte, o funcionário que o recebe terá um desconto mensal de até 6% sobre o salário-base, para custear o benefício.

Em alguns casos, esse valor não é suficiente (se, por exemplo, é preciso tomar dois ou mais ônibus em cada trecho). Nessas situações, a empresa arca com a diferença.

Por último, embora não figurem na folha de pagamento de um mesmo trabalhador todos os meses, as licenças por maternidade (120 dias) e paternidade (5 dias) são benefícios obrigatórios.

Quais questões são opcionais?

A legislação estabelece apenas os benefícios que descrevemos acima como obrigatórios, mas muitas empresas optam por oferecer vários pontos adicionais. Veja, abaixo, alguns deles.

Plano de saúde

O plano de saúde é um dos benefícios mais populares entre as companhias. Dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) mostram mais de 47 milhões de brasileiros que recebem esses serviços, sendo que 66% dos clientes têm modalidades coletivas empresariais.

Ou seja: as empresas são as maiores fornecedoras de planos de saúde no Brasil. O custo pode variar bastante, dependendo da localização, do tamanho e da natureza das atividades da organização.

Seguro de vida e cooperativas de crédito

As companhias costumam estabelecer convênios com bancos e outros fornecedores de seguro de vida. Essa é uma forma de proteger a família do colaborador.

Algumas empresas também estimulam a formação de cooperativas de crédito exclusivas para o funcionário, assim como clubes de compra, consórcios e outras instituições semelhantes.

Clubes recreativos

Organizações podem manter ou oferecer descontos em clubes recreativos e associações desportivas. Esses locais contam com piscinas e quadras, entre outras opções de lazer, para que os colaboradores passem os fins de semana e levem suas famílias.

Treinamentos

A importância de oferecer treinamentos de idiomas, softwares e outras habilidades para os colaboradores tem crescido. Eles aceleram a produtividade da equipe e permitem a realização de tarefas que antes não eram possíveis. A capacitação pode ser mais barata e eficaz do que procurar por um novo colaborador com determinada habilidade no mercado.

Transporte, viagens corporativas e espaços físicos

Ao bancar deslocamentos e viagens, a companhia aumenta sua abrangência, podendo alcançar novos mercados e clientes. Em muitos casos, o próprio ambiente da empresa oferece benefícios atraentes, como: espaço para trocar fraldas, academia de ginástica, cantina, biblioteca, jardim etc.

Por que é importante calcular corretamente o custo de um funcionário?

Calcular e planejar corretamente o custo da folha de pagamento é fundamental para assegurar que o negócio terá dinheiro em caixa nos momentos necessários e não pagará juros ou multas.

Uma boa contabilidade também informa se a empresa terá condições de arcar com os custos de um funcionário extra. O salário pode parecer caber no orçamento, mas, levando-se em conta 12 meses de encargos, por exemplo, é possível que o gestor adie a decisão.

Por que investir em benefícios para os colaboradores?

Em um mercado de trabalho competitivo, os benefícios são fundamentais para atrair e reter os melhores talentos. Bons profissionais fazem muita diferença nos resultados da empresa: por isso, oferecer um pacote atraente de vantagens é uma boa estratégia.

Investir em um plano de saúde pode reduzir faltas e atrasos. Já os gastos com viagens corporativas e treinamentos podem resultar em grandes retornos para a empresa, com a aquisição de clientes, mercados e capacidades.

Como você pôde ver neste artigo, o custo de um funcionário para a empresa vai muito além do salário. Mas lembre-se de que apostar em benefícios opcionais pode trazer ganhos que vão além do valor investido.

Gostou de nosso conteúdo? Ficou com alguma dúvida? Então, deixe um comentário para que possamos respondê-lo!